Cinema Comentado Cineclube: um pouco de história

O Projeto Cinema Comentado Cineclube nasceu, em 23 de agosto de 2003, de uma iniciativa do mandato popular do vereador Sued Botelho, sendo coordenado pelo sociólogo Fernando Rodrigues. As sessões promovem o contato dos espectadores com um “cinema” que foge aos padrões da dieta regular oferecida pelas salas dos shoppings centers. No período de 2003 a 2004, as exibições de filmes realizaram-se no auditório da Câmara Municipal, aos sábados.

No 1º semestre de 2004, Elpidio Rocha juntou-se à equipe do Projeto auxiliando na elaboração de releases, logística do evento e seleção de filmes e temas para as mostras mensais, além de coordenar as palestras/debates após as sessões. A partir de fevereiro de 2005, o projeto foi encampado pela Secretaria Municipal de Cultura e as mostras temáticas começaram em março do mesmo ano – sendo as exibições transferidas para a sala Geraldo Freire (anexo da Câmara Municipal, com palco, sistema de som e lotação de 186 lugares).

Em maio de 2006, estabeleceu-se uma parceria entre a Associação Educativa do Brasil – SOEBRAS e o Cinema Comentado para que os acadêmicos da instituição participem das sessões e recebam certificados de atividade complementar. Além disso, as discussões e comentários sobre os filmes permitem ampliar os temas abordados em sala de aula. Em setembro de 2006, o Projeto firmou parceria com a Associação Curta Minas (BH) para a realização do Cineclube Curta Circuito permitindo aos espectadores o contato com a mais recente e inovadora produção de curtas-metragens nacionais.

Em 2007, o Cinema Comentado Cineclube inaugurou nova etapa de atividades com a realização do 1º Festival de Cinema de Montes Claros homenageando os 10 Anos de Retomada do Cinema Brasileiro. O evento, realizado entre 10 e 14 de janeiro, mobilizou um público de 6000 pessoas para a exibição de filmes, oficinas e palestras. Na lista de convidados do evento, destaque para Cláudio Assis, Sylvio Back, Alberto Graça, Daniel e Diego Lisboa, Geraldo Veloso, Vinícius Cabral, Paulo Henrique Souto e Andréa Martins.

No triênio de 2005-2007, as sessões do projeto chegaram a receber, por sábado, um público de 80 a 140 pessoas – dependendo do filme ou da mostra em exibição. E, durante a sua trajetória, o Cinema Comentado apoiou projetos de outras entidades e instituições, como as mostras sobre Saúde Mental, Política e Eleições, Educação e Movimento dos Sem-Terra.

Em 24 de agosto de 2008, a parceria do Cineclube com o Sesc-Pousada Montes Claros e a Programadora Brasil determinam o início das atividades do CineSesc – com sessões no salão de convenções do Sesc, aos domingos, às 19h. Em novembro de 2008, é efetivada a filiação do Cineclube ao CNC (Conselho Nacional de Cineclubes), o que representou um importante passo para a entrada definitiva de Montes Claros no circuito alternativo de exibições cinematográficas de qualidade. A partir de junho de 2009, o Cinema Comentado passa a ser uma entidade autônoma, com diretoria executiva e um novo local de funcionamento: as sessões são transferidas para o auditório do Sesc, sendo realizadas aos sábados, às 19h.

Em sua primeira fase, o Projeto discutia as possibilidades da dinâmica cinematográfica e o processo de construção de uma visão crítica da platéia. A segunda envolveu oficinas de direção, roteiro, produção e documentário, exibição de filmes, debates e palestras, durante o 1º Festival de Cinema de Montes Claros. Em sua terceira etapa, foram apresentadas algumas produções locais de curtas; e agora o Cineclube evolui para a sua quarta fase, que é a transformação em entidade autônoma.

Fazem parte da diretoria executiva do Cinema Comentado Cineclube, jornalistas, publicitários, fotógrafos, produtores culturais e professores universitários. A diretoria, para gestão 2011/2013, conta com os seguintes membros:
Presidente – Elpídio Rocha.
Diretora Administrativa – Daniella Batista.
Diretora Financeira – Andréa Martins.
Diretor de Programação e Produção – Fernando Rodrigues.
Diretora de Divulgação e Documentação – Márcia Braga.
Diretora de Projetos – Fabíola Versiani.

A institucionalização da entidade representa a ampliação da luta pelo acesso ao audiovisual e da produção cinematográfica na região do Norte de Minas. E é mais uma forma de buscar novos horizontes com base numa tendência nacional de interiorização das ações referentes ao cinema.

O objetivo do Cinema Comentado Cineclube é criar uma identidade entre o cinema (arte, ritual, meio de comunicação de massa e manifestação cultural) e a sociedade. É o momento de trabalhar o filme junto ao público: além de propiciar o conhecimento técnico dessa produção artística, precisa-se evidenciar a importância de um filme com “bem cultural” – que afeta os mais diversos espectadores e provoca uma sensibilização do olhar quando o público pode assistir obras “diferentes” daquilo que consome regularmente na TV, DVD ou internet, e nos grandes circuitos de salas de exibição.

A programação explora as cinematografias periféricas (fugindo do “monopólio” norte-americano), os temas de discussão/conscientização e a linguagem cinematográfica – elementos técnicos do filme, conhecimento histórico do cinema, a origem político-social de cada obra etc. É fundamental a recuperação e defesa do cinema brasileiro como processo de aglutinação cultural dos espectadores. O debate, após a sessão, provoca no público um enriquecimento de sua cultura cinematográfica e cria um ambiente crítico em relação à produção e ao tema do filme exibido. Incentivar e instigar o conhecimento, mantendo um equilíbrio saudável entre palestra, aula e discussão nos debates, é a proposta fundamental do Projeto.

Comments: no replies

Join in: leave your comment