Cineclube e Semana Acadêmica de Filosofia exibem o distópico “Laranja Mecânica”

laranja_mecanica

No próximo sábado (14/10) o Cinema Comentado Cineclube exibe LARANJA MECÂNICA, em parceria com a V Semana Acadêmica de Filosofia da Unimontes. O filme, obra do controverso diretor americano Stanley Kubrick, foi lançado em 1972 e conta a história do violento Alex. Ele é o líder de um grupo que tem como principal diversão torturar, estuprar, roubar e matar. O protagonista acaba sendo capturado pela polícia e, então, se torna cobaia em experimentos com o objetivo de refrear os impulsos destrutivos do ser humano.

Baseado na obra homônima do escritor e crítico britânico Anthony Burgess, LARANJA MECÂNICA é um dos maiores clássicos do cinema. As críticas sobre a violência contida no filme foram tantas, que ele acabou ficando pouquíssimo tempo em cartaz no Reino Unido. Kubrick impediu a exibição do longa, o que não impossibilitou, entretanto, que fitas de outros lugares chegassem por lá. No Brasil, o filme foi liberado apenas algum tempo após o lançamento e, apesar de ser permitido somente para os maiores de 18 anos, a obra foi exibida com bolinhas pretas censurando as cenas de nudez.

Em crítica publicada no Chicago Sun-Times, ainda na época de seu lançamento, LARANJA MECÂNICA foi definido como “uma bagunça ideológica, uma paranoia fantástica de direita mascarada como um aviso de Orwell. O filme pretende se opor à força da polícia e ao controle das mentes, mas na verdade ele apenas celebra a perversidade de seu herói, Alex”. Para o próprio diretor, o filme pode ser entendido como uma sátira social sobre o emprego de condicionamento psicológico; como um conto de fadas sobre a Justiça e o Castigo; ou como um mito psicológico, “uma história construída em torno da verdade fundamental da natureza humana”.

LARANJA MECÂNICA consegue ser uma obra extremamente provocadora e conflituosa. A história causa estranhamento em alguns – pelas cenas de violência gratuita – enquanto outros ficam deliciados com a indiscutível qualidade fílmica da produção. Para o crítico Rubens Edwar Filho, “enquanto o livro de Burgess é uma amarga sátira aos paradoxos do livre arbítrio, o filme continua a provocar discussões. Afinal, temos que defender os que não gostam dele. Se não corremos o risco de todos nós acabarmos virando laranjas mecânicas”. Talvez exatamente por despertar as mais diversas reações é que ainda hoje este seja um dos filmes mais comentados, principalmente entre os jovens.

V SEMANA ACADÊMICA DE FILOSOFIA

A V Semana Acadêmica de Filosofia da Unimontes começa somente no dia 18, mas os professores e alunos já estarão em discussão no próximo sábado, durante a sessão do Cinema Comentado Cineclube.  O evento vai até o dia 20 de outubro, e é promovido pelo Centro Acadêmico de Filosofia (CAFIL).

O tema desta edição será a conexão entre os campos da Filosofia, da Arte e da Literatura. “O objetivo é promover um debate filosófico que possa incitar a inter-relação entre essas potências criadoras, a fim de enfraquecer o modelo acadêmico de enclausuramento e consequente empobrecimento destas respectivas áreas em seus domínios”, informa a coordenação.

Para a organização do evento, é possível analisar a presença de teorias ou doutrinas filosóficas na obra de um escritor ou de um poeta, do mesmo modo que muitos filósofos utilizam da literatura e de outras manifestações artísticas como forma de manifestar suas ideais filosóficas, daí a parceria na discussão do filme LARANJA MECÂNICA – base das discussões da Semana Acadêmica – junto ao Cineclube.

As sessões do Cineclube acontecem na sala de audiovisual anexa ao Centro Cultural Hermes de Paula, a partir das 19h. A entrada é gratuita e aberta aos interessados em discutir Cinema.

 

Article by Vanessa Araújo

Comments: no replies

Join in: leave your comment